segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência

"Isaltino era um mecânico que parecia fazer um bom trabalho, mas pela calada ia enganando e roubando os clientes. Foi condenado e voltou a abrir uma oficina. Estranhamente, alguns dos clientes antigos continuam a ir lá deixar o carro.
Tenho um problema com mecânicos: acho sempre que me estão a enganar. Como percebo pouco de mecânica fico sempre com a sensação de que os termos técnicos que eles dizem só servem para me confundir e acreditar que afinal aquele arranjo, inicialmente orçamentado em 50 euros, se transformou em 500 euros de forma completamente honesta e necessária.

O meu último mecânico chamava-se Isaltino. Até parecia um gajo porreiro, todo bonacheirão, com o seu charuto na boca enquanto ia mexendo nos carros. Tal como todos os mecânicos, estendia o antebraço quando me cumprimentava porque tinha sempre as mãos sujas. É sempre estranho agarrar o pulso de um homem e abaná-lo, mas é um ritual que já todos conhecemos. Parece sempre que estamos a cumprimentar um maneta, interagindo com o seu coto, o que num mecânico até seria bom pois era sinal de que não cobrava mão de obra [INSERIR RISOS ENLATADOS].

O Isaltino parecia um bom mecânico que resolvia os problemas dos carros. Era daqueles mecânicos preocupados que agia preventivamente já que quando o problema era da Capa de Biela, dizia que era melhor trocar já a correia de distribuição para evitar problemas e o carro ficar como novo. E ficava! O arranjo saía caro, mas o que é certo é que o carro vinha de lá a andar e sem barulhos esquisitos. Uma vez precisei de trocar as escovas, mas o Isaltino disse-me que devido a um problema do elevador dos vidros era melhor trocar o motor. Mais uma vez, como não percebo nada de carros, desconfiei e fiquei ali entre a espada de parede, ou entre o achar que ele poderia estar a querer sacar-me dinheiro e a minha ignorância que me levava a acreditar nele. Disse que sim e paguei, tal como fazemos no médico e quando levamos o computador a arranjar. Os funcionários lançam-nos termos técnicos e nós somos forçados a acreditar que eles sabem mais do que nós e que seriam incapazes de nos enganar.

Certo dia, o Isaltino foi preso. Uma grande investigação à sua oficina concluiu que andava a roubar os clientes, inventando arranjos desnecessários, trocando peças novas por segunda mão, levando os carros a uma oficina de diagnóstico de um primo dele, sem que houvesse necessidade. A juntar a tudo isto, a fatura era sempre opcional, sugestão do Isaltino e acatada pelos clientes que já haviam gasto mais do que o inicialmente previsto. Havia ainda a desconfiança de que a oficina era utilizada para lavagem de dinheiro de outros negócios ilícitos. Isaltino sempre disse ser inocente e que tudo não passava de uma cabala de outros mecânicos que invejavam o seu profissionalismo e a forma como os carros saíam da sua oficina sempre bem arranjados, mas a acusação deu como provados todos os seus crimes e condenou o mecânico a 7 anos de prisão e ordenou o fecho da sua oficina. Como Isaltino era bem conectado — já que muitos políticos arranjavam os seus carros nessa oficina — acabou por sair ao fim de ano e meio.

Quando Isaltino saiu do cárcere, mais magro, decidiu voltar a abrir uma oficina já que ser mecânico era tudo o que ele sabia ser. Ao contrário do que seria de esperar, devido ao seu cadastro e crimes cometidos no exercício das suas funções, muitos dos seus clientes antigos voltaram a confiar nos seus serviços e a oficina depressa estava cheia e a faturar. Eu nunca mais lá fui! Perguntei a um amigo meu o porquê de ele continuar a ir a um mecânico que já tinha sido provado ser desonesto, corrupto, aldrabão e que rouba dinheiro dos clientes e a resposta desse meu amigo foi simples: "Os mecânicos são todos iguais. Todos roubam! Ao menos neste os carros ficam bem arranjados!".

Percebi o que ele queria dizer com aquilo e a minha sensação em relação a mecânicos também era essa, mas tal como no amor, se me enganarem sem eu saber, tudo bem, mas a partir do momento que eu descubra, nunca mais haverá nada entre nós. A minha dignidade assim o exige, assim como a minha legitimidade para me queixar. Sabem aquele ditado do "Engana-me uma vez, shame on you, engana-me duas vezes, shame on me"? Levo isso à letra com os amores, com os mecânicos e com os políticos."

Guilherme Duarte, SAPO 24

Sem comentários:

Enviar um comentário